© 2012 habitat . arquitectura paisagista  I  Rua Professor Laurentino Monteiro, 45 - 4490-676, Póvoa de Varzim, Portugal

  • w-facebook
  • Pinterest limpo

PARQUE BOTÂNICO DE VALE DOMINGOS

ÁGUEDA, 2014 I 2017

PROJECTO I PARQUE BOTÂNICO DE VALE DOMINGOS

FASE I EM CONSTRUÇÃO - 2º FASE

LOCALIZAÇÃO I VALE DOMINGOS, ÁGUEDA, PORTUGAL

DATA I MARÇO DE 2017

 

A criação do Parque Botânico de Vale Domingos partiu da iniciativa da Junta de Freguesia de Águeda e Borralha, numa zona socialmente estigmatizada, com o objectivo de criar um parque botânico.

 

Este parque pretende ser um espaço de lazer e recreação para os habitantes, assim como um pólo capaz de agregar e envolver as comunidades deste território em torno do parque.

 

A sua concepção e construção foi pautada pelo envolvimento da comunidade local, sendo um exemplo de participção pública durante todo o processo de desenvolvimento do parque.

 

Este projecto foi desenvolvido com parcos recursos, e a sua construção tem sido desenvolvida por dezenas de voluntários, que aparecem para construir o parque ao Sábado.

 

Para execução do parque foram dividos os trabalhos em duas fase. A 1ª fase foi constituída pela modelação do terreno e plantação das colecções de árvores, que se encontra concluída. E uma 2ª fase foi constituída pela contrução da rede de caminho, zonas de estádia, plantação do prado e sistema de rega.

A plantação das espécies foi estruturada em função de diferentes unidades geográficas, definidas em função da origem das espécies e em função das suas necessidades edafoclimáticas.

Na área mais a Sudoeste do terreno foram colocadas as colecções de plantas do hemisfério Sul, por ser uma área de boa exposição solar.

Na área mais a Sudeste foram colocadas algumas das plantas do hemisfério Norte.

Tanto na colecção do hemisfério Sul, como do Norte foram colocadas as espécies mais sensíveis rodeadas de outros exemplares, que lhes permitem ajudar a simular as suas condições ideais.

 

No centro do terreno, num vale encaixado foi colocada a colecção de Áceres, com particular destaque para o Acer palmatum, que encontra boas condições para prosperar. Nesta colecção contabiliza umas mais de 80 variedades de Acer palmatum.

Para simular as condições em que este exemplar vive no estado selvagem, foram colocadas outras folhosas de maior porte de modo a protegê-los com alguma sombra e abrigo.

Nesta colecção, a proximidade de plantação dos Acer palmatum recria  uma floresta. E em certos locais foram abertas clareiras de modo a que se tenham percepções distintas desta zona.

 

Na zona mais a Norte, na zona mais baixa do terreno vão-se manter as hortas existentes e uma colecção de fruteiras.

 

No Socalco superior a norte foi plantado uma colecção notável de magnólias com 107 exemplares, de diversas espécies e variedades. Esta colecção assume elevada importância pela concentração de espécies deste género florístico, com floração amarelo, branca, rosa, vermelha e roxa.

          

No extremo Sul do parque localiza-se um alinhamento de magnólias estruturado com o ritmo de 4 exemplares de cores distintas, sendo o 1º com flor branca, o 2º com flor rosa e o 3º com flor branca, 4 º rosa escuro e depois repetindo esta sequência.

         

Nesta segunda fase foi revista e melhorada a rede de caminhos que permitem fazer uma ligação entre os principais espaços do parque. Esta rede permite ao utilizador a aproximação, observação e contemplação de todas as espécies das colecções do parque botânico.

          

 Os caminhos têm a largura de 1,2 metros e são em betão. Associados ao caminhos e às principais clareiras do parque foram desenhados bancos em betão, para criar locais de estadia e reunião no parque. Foram projectadas mesas de merendas no socalco das magnólias, de modo a tirar proveito das vistas daquele local.

           

Foi planejado um elemento de água em aço corten, junto à escadas em betão na entrada da colecção de Áceres.

           

Para o Outono está prevista a execução do prado para todo o parque. Estando no prado do socalco das exóticas, prevista a instalação de rega por aspersão de modo a aumentar a capacidade de carga deste espaço, uma vez que é o espaço mais utilizado e com melhores acessos.